Por Ernie Nolan, membro do Comitê Executivo

Sem precedentes. Desconhecido. Extraordinário. Estas são apenas algumas das palavras que vem sendo usadas para descrever as últimas semanas, mas eu usaria ainda outra… OCUPADO! Como eu tenho exercitado estar
“seguro em casa”, parece que sempre há algo a fazer para ajudar minha companhia a passar por este momento tão difícil. Vendo meu Facebook enquanto tomo o café da manhã, não consigo me relacionar com aqueles que escrevem sobre estarem entediados em casa. Para aqueles de nós que dirigem companhias de teatro, parece que o trabalho nunca acaba e decisões cruciais para nossa sobrevivência precisam ser tomadas todos os dias.
Uma colega minha com experiência em Gerenciamento de Desastres recentemente enviou uma mensagem com sugestões sobre como exercer liderança durante estes tempos difíceis. “Reúna, consolide e esclareça
informações”, foi sua primeira recomendação. “Passe algum tempo escutando”, foi o segundo. Seus conselhos certamente se mostraram úteis. Seja conversando com a equipe, apresentando relatos à diretoria ou mostrando empatia com os colegas, a comunicação nunca foi tão necessária e importante.
Sou apenas eu ou parece que agora, mais do que nunca, existem mais plataformas para nos comunicarmos e nos encontrarmos? Seja o Zoom, Teams, Google Hangout, GoToMeeting, RingCentral e o bom e velho FaceTime, essas são apenas as opções de negócios, sem mencionar o SnapChat, Marco Polo,
e House Party.
Uma das coisas positivas deste momento complicado é a maneira como minha comunicação profissional inspirou minha comunicação pessoal. Dentro do isolamento, tenho a sorte de ter me reconectado com amigos em todo o país e no mundo. Nunca foi tão fácil e tão necessário. (Especialmente depois que eu compreendi os vários fusos horários.) De fato, toda segunda-feira à tardinha, consigo me afastar da minha mesa e parar de trabalhar para participar de um “Happy Hour” através do Zoom, com outros quatro amigos do ASSITEJ. Há muita escuta (e risadas) durante estes encontros. Eles também são uma excelente oportunidade para explorar o terceiro e último ponto compartilhado por minha colega em Gerenciamento de Desastres: “Presuma que ninguém está vivenciando as atuais circunstâncias da mesma forma que você está.”
Os relatos e atualizações que você vai ler de outros centros da ASSITEJ também seguem os princípios que descrevi acima. Espero que você dedique algum tempo à leitura destas múltiplas perspectivas e sinta-se conectado quando distanciar-se é imperativo.